Segunda-feira, 06 de abril de 2020
20/02/2020 | 08:58 | Notícias |

Os benefícios da Ergonomia para as empresas e trabalhadores

Basicamente, a Ergonomia caracteriza-se como a ciência relacionada ao entendimento das interações entre seres humanos e outros elementos de um sistema, sendo a profissão que aplica métodos para otimizar o bem-estar e qualidade de vida dos trabalhadores no ambiente laboral. Por esse motivo, aspectos que envolvem a ergonomia está incluído no eSocial, sistema que unifica a forma de envio das informações trabalhistas, previdenciárias, tributárias e fiscais de todas as empresas, inclusive, no que tange à saúde e segurança do trabalhador.

Isso significa que as empresas devem fornecer, pelo eSocial, informações relativas a acidentes de trabalho, riscos ambientais, substâncias perigosas às quais o trabalhador entra em contato, uso de equipamentos de proteção individual (EPI) e riscos ergonômicos aos quais o funcionário está exposto.

A Ergonomia parte da premissa que é o espaço de trabalho que deve ser adequado ao colaborador, e não o contrário. Esse é o conceito básico que norteia os princípios da ergonomia e está diretamente relacionado com a produtividade da empresa.

“Caso o ambiente de trabalho não apresente condições ergonômicas adequadas, os trabalhadores ficam sujeitos a uma série de riscos, podendo desenvolver lesões por esforço repetitivo (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT). Além disso, outros fatores também podem ser desenvolvidos em um local de trabalho não ergonômico, como: ansiedade, estresse, hipertensão, distúrbios relacionados ao sono, entre outros problemas de saúde que prejudicam a produtividade dos colaboradores da empresa”, destaca o Engenheiro de Segurança do Trabalho, Vódice Feisther. Assim, uma empresa que não apresenta as condições ergonômicas adequadas acaba perdendo produtividade.

E como acontece essa perda de produtividade?

“Por uma série de fatores, como: afastamento dos trabalhadores por problemas de saúde; indenizações decorrentes de processos trabalhistas, que a empresa tem que pagar; aumento do absenteísmo (falta ao trabalho); aplicação de multas relacionadas ao descumprimento da Norma Regulamentadora n° 17 do Ministério do Trabalho e Emprego; aumento da rotatividade de funções dos colaboradores da empresa, necessitando treinamentos constantes; e por fim, aumento dos acidentes de trabalho.

E como evitar todos esses fatores, que provocam perda de produtividade?

- É aí que se destaca o Engenheiro de Segurança do Trabalho, profissional totalmente qualificado que pode fazer uma análise ergonômica detalhada do ambiente laboral da empresa e realizar um Laudo Ergonômico do Trabalho, com o propósito de evitar todas as situações destacadas no parágrafo anterior.

Mas o que contém esse Laudo Ergonômico do Trabalho que pode ser tão eficiente e importante para as empresas?

- O Laudo Ergonômico do Trabalho é um documento completo, sendo composto por uma série de análises, a depender dos riscos existentes na empresa, podemos citar alguns dos principais riscos, fatores e perigos que podem fazer parte desse documento, sendo eles:
(a) Riscos relacionados a utilização de máquinas e equipamentos em geral;
(b) Avaliação da luminosidade dos locais de trabalho, tanto a direta, quanto a indireta;
(c) Monitoramento da temperatura do ambiente de trabalho;
(d) Maneira como acontece o transporte de cargas e objetos, desde o carregamento e o descarregamento, até a utilização de ferramentas manuais de transporte de peso;
(e) Posicionamento de mesas, cadeiras e computadores em escritórios, salas e qualquer local que englobe colaboradores, identificando posturas inadequadas e outros fatores de risco;
(f) Exigência mental e estresse no dia a dia, além de fatores relacionados a assédio moral no ambiente laboral;

O que diz a legislação sobre a Análise Ergonômica do Trabalho?

- Sabe-se hoje, que independente do tamanho da empresa e do número de colaboradores que ela apresenta, todo mundo está sujeito a fiscalizações e consequentemente multas que podem vir a ocorrer. Assim, as normas estabelecem a obrigatoriedade na elaboração e implementação da análise ergonômica do trabalho por parte de todas as empresas que admitam empregados que estejam sujeitos a riscos ergonômicos. Principalmente agora com a implantação do eSocial.  Esse novo sistema irá coletar informações de diferentes locais e haverá um cruzamento de informações. O que acarretará um aumento da percepção de falhas e outros problemas, sendo esse mais um motivo para as empresas estarem com a análise ergonômica do trabalho em dia.
 

Fonte: Assessoria Comunicação