Quarta-feira, 14 de novembro de 2018
PESQUISAR NO SITE
21/11/2014 | 08:30 | Notícias | Regional

IOIO diz que impediu um calote na prefeitura de Boa Vista do Buricá ao falar do bloqueio dos bens

O ex-prefeito de Boa Vista do Buricá, Jorge Gilberto Klockner “IOIO”, revelou que salvou o município de um possível calote em 2006. As declarações foram feitas por IOIO, em entrevista ao repórter Antônio de Oliveira, da Rádio Cidade Canção FM, na manhã desta sexta-feira (21). 

Jorge Gilberto Klockner teve a indisponibilidade dos bens através de uma liminar, deferida pela Justiça Federal, depois de pedido do Ministério Público Federal (MPF). A decisão de bloquear os bens de IOIO foi devido a problemas constatados em 2006, quando houve uma licitação para reformar a Escola Municipal de Educação Infantil São José.

Segundo denuncia do MPF, a primeira colocada no processo licitatório foi uma empresa de São Luiz Gonzaga, desclassificada antes da assinatura do contrato. De acordo o ex-prefeito a comissão licitatória estranhou a proposta que era muito baixa. Ao buscar informações na prefeitura de São Luiz Gonzaga, IOIO disse que tomou conhecimento de que a empresa vencedora havia sido declarada inidônea (que não tem uma boa reputação; sem idoneidade; que não se pode confiar). Por isso o contrato foi assinado com a segunda colocada, que havia apresentado preço maior.

A Justiça Federal de Santa Rosa entende que houve falhas graves na operação, o que gerou prejuízo aos cofres do município de R$ 18.109,33. Já o ex-prefeito Jorge Gilberto Klockner entende que a medida salvou o município de um calote, destacando que o histórico da empresa não era confiável e se temia que após pegar os 30% do valor previsto em contrato a obra não fosse concluída.

IOIO pode recorrer ao Tribunal Regional Federal e disse que está tranquilo, pois salienta que o único beneficiado foi o município. Frisou ainda que a obra foi executada por uma empresa de Boa Vista do Buricá, em que o proprietário é contrário politico.

Os problemas foram apontados em relatório da Controladoria-Geral da União (CGU). Ainda não há data para o julgamento do mérito da ação. O ex-prefeito, que governou a cidade entre 1997 a 2000 e de 2005 a 2012.

Foto: Cooperjornal
 

Fonte: No Ar Notícias